SOYEZ LES BIENVENUS SUR LE SITE DES AMIS D'ALEXANDRINA - SEDE BEM-VINDOS AO SITE DOS AMIGOS DA BEATA ALEXANDRINA

Alexandrina de Balasar
Santa para Portugual

 

Ninguém ignora a vocação universal à santidade como caminho para a Igreja. Por outro lado, todos reconhecem que os Santos não se limitam aos proclamados, solenemente, como tais. Acontece, porém, que a canonização ou beatificação dum membro da Igreja não é um mero elencar de mais um nome no catálogo. Com elas são anunciados diversos valores e dimensões que a Igreja Universal deve acolher.

Que terá Alexandrina Maria da Costa a dizer à Igreja em Portugal ?

Sem pretender ser completo, sublinho três aspectos de grande utilidade.

1. Ela foi uma cristã simples e humilde. Na verdade, não chegou a concluir os estudos primários e “obrigatórios” naquela época.

Esta “limitação” de conhecimentos, humanos e cristãos, não a impedirem de ser uma verdadeira evangelizadora. Fê-lo através dos seus escritos, que necessitam dum estudo teológico mais consistente e que nos obrigam a pensar em congressos, e, particularmente, da palavra oportuna e serena que oferecia a quem a procurava.

Não pretendo desconsiderar a importância da reflexão teológica e da formação permanente dos nossos cristãos. Creio que esta necessita duma “alma” como experiência mística e de união com Deus. Trata-se de sublinhar a prioridade da dimensão contemplativa para que a palavra e o anúncio adquiram consistência.

Será ousadia reconhecer que a Igreja em Portugal, para além dum empenho mais sólido no aprofundamento da mensagem cristã tem necessidade de “ver”, também, as doutrinas a partir do “mistério” o que só se consegue através duma consideração, teórica e prática, do valor da intimidade com Deus ? Só a contemplação alicerça o anúncio da Palavra.

2. Nesta prioridade pela Evangelização, a Eucaristia, alimento consistente da vida humana e cristã da Venerável Alexandrina, tornou-se o “segredo” e a coragem para a fidelidade em todos os momentos e horas. Ela conseguiu “eucaristizar” a sua vida.

No meio de tantas iniciativas e actividades que a pastoral hodierna reclama, teremos de redescobrir a centralidade da Eucaristia. Trata-se de ultrapassar a norma da obrigatoriedade dum preceito e fazer com que tudo nasça desta ânsia interior de encontro com o divino. Ela, na celebração e na comunhão, terá de dizer mais Deus. E sabemos, por experiência, que não é suficiente o rubricismo escrupuloso. Urge maior preparação e vivência a envolver toda a comunidade para que a presença de Cristo não se reduza à Eucarística mas aconteça no encontro de “dois ou mais”. A Eucaristia terá de dar um sentido mais profundo e um valor mais consistente a Jesus no meio de “dois ou mais” que se amam. Só assim a Eucaristia se torna alimento para a Igreja e para o mundo moderno repleto de dores e sofrimentos. Ele pretende serenidade e calma e só a presença de Cristo na comunidade é uma resposta permanente. Depois, a presença eucarística provocará outra incidência na vida real das pessoas.

3. Se uma vida eucaristizada, tornada experiência no encontro verdadeiro da comunidade, foi a coragem para os sofrimentos e as dores que a Venerável Alexandrina experimentou, num cuidado e acompanhamento mais técnico e competente aos doentes, a Igreja em Portugal terá de redescobrir modos e meios de se fazer presente no concreto da dor e do sofrimento. São muitos aqueles que lutam sozinhos e não bastam as estruturas e instituições que cuidam dos doentes. Eles necessitam da presença e do carinho que só uma doação e entrega a esta causa pode oferecer.

Há momentos históricos que exigem respostas novas. A evolução técnica ainda não eliminou nem iluminará, o rosto da dor. Se a medicina oferece muito, a presença, como sinal dum amor cristão, é a mais valia que se pode oferecer.

A Beatificação de Alexandrina Maria da Costa deve questionar a Igreja em Portugal tornando-a mais evangelizadora através do testemunho, da eucaristia como fonte de vida nova e da atenção concreta ao mundo que sofre.

+ Jorge Ortiga, A. P.

 

 

Pour toute demande de renseignements, pour tout témoignage ou toute suggestion,
veuillez adresser vos courriers à
 :

alexandrina.balasar@free.fr