SOYEZ LES BIENVENUS SUR LE SITE DES AMIS D'ALEXANDRINA - SEDE BEM-VINDOS AO SITE DOS AMIGOS DA BEATA ALEXANDRINA

     

 

ANA DE JESUS MAGALHÃES
Leiga, Mística
1812-1875

Ana de Jesus Maria José Magalhães nasceu em Arrifana, nos arredores do Porto, à 19 de Março de 1812.

Pastora, ela acamou com apenas 16 anos, em 1828.

Começou então para ela uma nova vida onde a oração ocupava uma grande parte do seu tempo, senão todo.

O Senhor não permaneceu muito tempo surdo a suas fervorosas orações e até mesmo lhe deu alguns dons sobrenaturais extraordinários, como levitação, êxtases e reprodução em seu corpo e em seus gestos da Paixão de Jesus.

A primeira vez que o fenómeno da levitação ocorreu, as irmãs de Ana nem queriam acreditar naquilo que se passava diante dos seus olhos: Ana, em êxtase, tinha-se elevado acima de sua cama e ficou ali, olhando para o céu, em oração fervorosa.

Intrigadas, eles foram avisar o pároco da aldeia, porque elas não sabiam nem compreendiam qual o fenómeno que fazia levantar assim a irmã, ela que nem se podia mexer de ordinário.

O bom sacerdote veio imediatamente para observar o fenómeno.

Antes de mais ele quis que ela se confessasse, pensando que se tratasse de uma farça, o que ela lhe diria na confissão.

Depois da confissão, ele deu-lhe a Sagrada Comunhão e, desde que a hóstia tocou a língua da doente, ela novamente se elevou no ar, como o próprio pároco testemunhou: «Depois da Sagrada Comunhão, ela elevou-se, ficando assim suspensa por cima da cama, a uma altura de três palmos, mais ou menos, durante um espaço de três horas.»

O sacerdote continua o seu depoimento:

«Isto acontecia quase quotidianamente, durante as horas que ela consagrava à meditação».

«Depois de ter recebido a Santa Comunhão – continua o mesmo sacerdote – ela caia em êxtase e ficava acima da cama, de maneira que não podíamos passar as mãos entre o cobertor e o seu corpo, da cabeça aos pés.

O pároco de Arrifana não queria de forma alguma ser tomado de surpresa e ser vítima de uma brincadeira de mau gosto; então multiplicou as intervenções em casa da doente, muitas vezes chegando imprevistamente, para melhor apreciar o bem fundado dos fenómenos místicos dos quais ele se tinha tornado, sem o ter procurado, uma testemunha privilegiada.

Para evitar qualquer erro, sempre possível nestes casos, o sacerdote chamou outras testemunhas: sacerdotes e médicos competentes. Ele explica:

«As vezes que celebrei a Santa Missa e lhe dei a Comunhão, observei que depois de receber o Senhor, ela absorvia-se na contemplação. (…) Via então aquela santa rapariga em êxtase, sem qualquer movimento, de olhos bem abertos e voltados para o Céu, fixando um ponto distante. O seu corpo estava suspenso no ar e imóvel, na posição horizontal, durante um longo momento.»

Mais tarde, por volta de 1869 – seis anos antes da sua morte – ela tornou-se epiléptica. Mas esta enfermidade não a impediu de continuar, durante os êxtases da Paixão, cada sexta-feira, de estender o se braço paralisado, para tomar a posição do Crucificado, o que causou admiração e intrigou muito os médicos que a visitavam. Apenas puderam constatar a evidência dos factos: os seus testemunhos categóricos e categorizados são disso uma prova evidente.

Ana entregou a sua alma a Deus no dia 25 de Março de 1875, em Arrifana – paróquia de Nossa Senhora da Assunção e o seu corpo foi sepultado no cemitério paroquial, onde um grande número de pessoas vão em peregrinação, para agradecer as graças recebidas ou pedir graças a Deus por intermédio de Ana Magalhães.

O processo diocesano, a cargo da diocese do Porto, foi aberto em 1939. Depois desta data, nada mais se sabe.

Afonso Rocha

Pour toute demande de renseignements, pour tout témoignage ou toute suggestion,
veuillez adresser vos courriers à
 :

alexandrina.balasar@free.fr