Humberto Pasquale

Alexandrina
de Balasar

SOYEZ LES BIENVENUS SUR LE SITE D'ALEXANDRINA

Dom HUmberto PasQUALE

Dom Humberto Maria Pasquale nasceu a 1 de Setembro de 1906 em Vignole Borbera (Itália). Acolhido em Valdocco (Torim) em 1919, aí frequentou durante dois anos o ginásio mas foi depois retirado por seu pai por ter manifestado o desejo de partir para as missões. Vencidas algumas dificuldades, conseguiu entrar no seminário de Stazzano. Depois do terceiro ano de teologia voltou para os Salesianos. Durante o noviciado em Borgomanero candidatou-se para ir ocupar-se de leprosaria na Colómbia. No momento de partir, foi solicitado pelos Superiores para se instalar durante um ano em Portugal para aí ajudar na Obra reaberta pouco antes. A obediência provisória prolongou-se por 15 anos. Ordenado padre em Lisboa em 1935, pelo Cardeal Cerejeira. Abriu em 1937 a Casa de Mogofores, erigida transformada em noviciado, à qual deu rapidamente uma sede mais vasta (em 1939), transformando a Casa primitiva para obras paroquiais : oratório masculino, laboratório para raparigas e ninho para a infância. Deu vida às Edições Salesianas que, em 1945, foram transferidas para o Porto e às quais, em 1947 deu à uma sede própria. Chamado à Itália em 1948, foi destinado ao Centro Catequético (Leumann, Torim). Continuou a receber os Jornais da Alexandrina e tornou-se o seu principal biógrafo.

* * * * *

Aqui se terminam as informações que se encontram no livro  " Cristo Gesù in Alexandrina". Acrescentamos agora as principais notícias relativas aos anos seguintes :

Foi chamado à Balasar em 1965 para preparar o Processo Informativo Diocesano, no qual foi uma das principais testemunhas.

A 7 de Maio de 1973 levou toda a documentação para Roma.

Morreu em Rivoli (Torim) a 5 de Março de 1985.

A 5 de Fevereiro de 1989 os Salesianos de Mogofores – como marca de gratidão ao fundador da obra Salesiana de Mogofores – inauguraram o seu busto em bronze, para comemorar o cinquentenário da sua fundação.

 

Pour toute demande de renseignements, pour tout témoignage ou toute suggestion,
veuillez adresser vos courriers à
 :

alexandrina.balasar@free.fr